sábado, 3 de outubro de 2009

1°Ed. Livro. O esconderijo findou - Carlos de Souza

Assisti seu crescimento
Poesia de Carlos de Souza


Quando meus olhos pousaram
Em ti pela primeira vez;
Sei que era pequenina;
Algo, que não mais serei,
Como o decorrer dos tempos...
O que eu quero, alcançarei,
Sempre pensei comigo:
Cresve, que eu lhe esperarei.

Muito pouco que me umporta;
Meu tempo, além de voçê
Por ser mais jovem do que eu,
Podemos nos compreende.
Para o amor, não tem idade;
Eu preciso de voçê
Se concordas comigo,
Agora quero saber...

eu já tentei muitas vezes,
Falar contigo, o que sinto,
Ainda não consegui,
No entanto, eu não minto,
Podes acreditar em min;
De outro amor, fquei extinto;
Pra sempre vou ser só teu;
Te amo, porém não brinco.

Em seu tempo de menina.
Comigo vivias a brincar;
Eu não pensei que um dia...
Fosse me apaixonar:
Por alguém, que é tão íntima,
Não sabia; o que é amar;
Com a continuidade...
eu vou ter que lhe explicar.

Talvez, não precisa mais;
Da minha explicação,
O tempo já lhe instruiu;
Ninguém manda no coração;
Se um dia tiver de ser;
Vou sentir grande emoção.
É triste gostar de alguém.
Sem haver retribuição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário